A Aston Martin Red Bull Racing adota a TI hiperconvergente e pisa fundo

Tão rápido quanto as mudanças

Nada é mais importante nas corridas de Fórmula 1 do que a velocidade. Em um esporte em que as vitórias são decididas por um centésimo de segundo, todos os componentes do veículo e todas as decisões são importantes. Desde 2005, a Aston Martin Red Bull Racing, uma equipe com sede no Reino Unido, tem sido umas das principais forças das corridas de F1. Quando começou
a temporada de 2019, a equipe já tinha conquistado 59 vitórias e oito campeonatos mundiais, em parte devido à capacidade de se adaptar às mudanças de projeto e às novas regulamentações com agilidade.

A TI desempenha um papel fundamental no sucesso da equipe. A Aston Martin Red Bull Racing confia na TI para oferecer alto desempenho para tudo, desde os processos de negócios até o projeto de veículos e o suporte de pista no local em dias de corrida.

Com aplicativos proprietários específicos da F1 gerando volumes significativos de dados, a Aston Martin Red Bull Racing precisava de uma solução que atendesse ao aumento de suas necessidades de armazenamento em seu espaço virtualizado. “Precisávamos ser mais ágeis”, conta Neil Bailey, chefe de infraestrutura de TI da Aston Martin Red Bull
Racing. “O desempenho do aplicativo afeta a rapidez com que podemos reagir e fazer mudanças, para melhorar o desempenho do veículo.” Com o foco principal na eficiência e na velocidade, a organização recorreu à TI
hiperconvergente e optou pelo HPE SimpliVity.

A infraestrutura legada estava freando o desempenho

Com sede em Milton Keynes, em Buckinghamshire (Inglaterra), a Aston Martin Red Bull Racing projeta, fabrica e corre com seus veículos de F1 de alto desempenho.

Além disso, a organização de TI no local oferece suporte a funções administrativas, como marketing, finanças e recursos humanos. Uma mistura de servidores virtuais tradicionais e infraestrutura de desktop virtual resultou em aproximadamente 500 VMs espalhadas por hardware distinto, criando um ambiente heterogêneo e desconexo. Com 50 TB de dados, a dispersão da infraestrutura estava se tornando uma responsabilidade cara, e os engenheiros de software que usam desktops virtuais já estavam observando problemas de desempenho.

Os casos de uso específicos da F1 aumentaram a urgência de encontrar uma solução de armazenamento mais rápida. Um carro de corrida pode ser uma máquina bem ajustada, dirigida por um atleta de talento, mas também é uma plataforma de tecnologia, gerando cerca de 400 GB de dados em um fim de semana de corrida. Decisões cruciais, como quando fazer um pit stop durante uma corrida, dependem de uma análise extremamente rápida, conduzida por um data center portátil que é montado na pista, no dia da corrida.

Os aplicativos de F1 proprietários da Aston Martin Red Bull Racing também exigem infraestrutura rápida e responsiva. “Todos os nossos carros são protótipos em evolução, com 30.000 alterações implementadas em um ano”, afirma o CIO Matt Cadieux. “Precisamos ter certeza de que a infraestrutura esteja pronta e seja ágil o suficiente para dar suporte às necessidades de nossos engenheiros e às novas demandas dos negócios.”

Além disso, cada ano pode trazer novos desafios competitivos, avanços tecnológicos e mudanças nos regulamentos da F1. Quando se trata de acompanhar o ritmo das mudanças, a infraestrutura da Aston Martin
Red Bull Racing tem que ser capaz de se mover no ritmo do esporte.

Um aumento maciço no desempenho

A equipe de TI da Aston Martin Red Bull Racing considerou as arquiteturas tradicionais e a infraestrutura hiperconvergente em sua busca por uma TI mais rápida. O processo de seleção competitiva envolveu testes rigorosos.

“Adotamos um teste de benchmark formal”, explica Cadieux. “Selecionamos cargas de trabalho reais e pedimos aos fornecedores que nos impressionassem, e o HPE SimpliVity conseguiu isso, tanto em termos de
desempenho, quanto em facilidade de gerenciamento.”

O HPE SimpliVity oferece a base para o uso de VMware® e VDI pela Aston Martin Red Bull Racing, tanto na fábrica, quanto na pista, nas operações dos dias de corrida. A diferença é notável. Por exemplo, em dias de corrida, a equipe extrai dados dos carros em tempo real e depois os processa para análise. Com o HPE SimpliVity, o tempo necessário para o pós-processamento passou de nove minutos para dois minutos. “É um aumento enorme de desempenho”, afirma Cadieux. “Isso significa que podemos obter respostas melhores, mais rapidamente, quando estamos na pista, e os segundos fazem a diferença.”

Desempenho mais rápido dentro e fora das pistas

Na fábrica de Milton Keynes, o HPE SimpliVity está fazendo diferença nos sistemas de back-end da organização. 80% dos aplicativos críticos para os negócios da organização estão sendo executados no HPE SimpliVity. Isso inclui desde o sistema que gerencia o ciclo de vida das peças até o e-mail.

Após ter alcançado benefícios significativos na fábrica, era hora de ajudar a equipe na pista. “Utilizando o HPE SimpliVity para dar suporte às operações na pista, fomos capazes de oferecer uma infraestrutura de TI mais confiável, mais rápida e otimizada”, diz Simon Kesslar-Lyne, Chefe de TI de Eventos. “Isso permitiu que nossos engenheiros de pista se concentrassem no desempenho dos carros e soubessem que podem confiar na infraestrutura de TI para fornecer e fazer backup dos dados de que precisam.”

Durante uma temporada, é preciso transportar o equipamento de TI da equipe para 21 circuitos. Os sistemas precisam ser rapidamente configurados e desligados em cada evento. O espaço da pista é um desafio e surtos de tensão ou interrupções podem ser um enorme problema. Ter confiança nos sistemas é essencial.

Na fábrica e nas pistas, a organização alcançou algumas das suas maiores vitórias em sua infraestrutura de desktop virtual. “De imediato, os usuários notaram uma grande diferença em termos de capacidade de resposta”, diz Bailey.

Outra área de melhoria tem sido a capacidade de fazer backup e recuperar o ambiente Citrix® VDI em caso de falha. O HPE SimpliVity também teve um grande impacto na carga de trabalho e recuperação de dados da Aston Martin Red Bull Racing. Quando a equipe de pesquisa e desenvolvimento teve um problema de dados corrompidos, eles precisaram recuperar rapidamente suas estações de trabalho virtuais. Com o HPE SimpliVity, a equipe de TI recuperou a estação de trabalho em cerca de um minuto e com
apenas três cliques. Hoje, qualquer pessoa da equipe de TI pode realizar essa tarefa simples. “Antes, o processo levaria mais de uma hora, com várias etapas complexas”, aponta Bailey

Por que adotar a hiperconvergência?

A hiperconvergência, assim como a convergência, elimina os tradicionais problemas de gerenciamento de TI, agrupando serviços de data center, como servidores, armazenamento e rede, em pacotes, permitindo que sejam gerenciados por um único aplicativo. Mas, diferentemente da convergência, a hiperconvergência é uma infraestrutura definida por software que desmembra as operações de infraestrutura do hardware do sistema e as converge em um único bloco no nível do hipervisor (daí, o nome). Os sistemas hiperconvergentes aproveitam a inteligência definida por software para eliminar os silos de armazenamento e computação e permitir que esses recursos sejam executados e gerenciados na mesma plataforma de servidor, o que elimina ineficiências e acelera a computação.

Os sistemas hiperconvergentes permitem que você gerencie uma infraestrutura complexa com eficácia, acelere as cargas de trabalho virtualizadas, diminua a complexidade, aumente a eficiência operacional e reduza os custos. A hiperconvergência oferece a confiabilidade, a disponibilidade, a capacidade e o desempenho necessários, ao mesmo tempo que prepara a infraestrutura de TI para o futuro e reduz o custo total de propriedade (TCO). De modo geraI, uma infraestrutura hiperconvergente:

  • Permite um gerenciamento centralizado dos ambientes virtuais por meio de uma interface única, reduzindo o número de atividades com uso intensivo de mão de obra.
  • Simplifica os processos de aquisição, implantação, suporte e gerenciamento.
  • Oferece uma abordagem expansível e configurada em blocos, o que facilita sua ampliação

Soluções de infraestrutura hiperconvergente HPE

A Hewlett Packard Enterprise está em uma posição única para ajudar você a lucrar com o poder e o potencial da hiperconvergência. Temos um amplo portfólio de produtos e serviços para infraestrutura convergente e armazenamento definido por software, além de uma sólida parceria com a VMware e a Microsoft.

Hoje em dia, as empresas estão buscando acelerar a inovação e o tempo de chegada ao mercado, estimulando resiliência, agilidade e consolidação de carga de trabalho sem precedentes da TI. Com uma infraestrutura hiperconvergente, tudo isso está ao seu alcance agora.

A Espria cria uma plataforma composable para oferecer transformação digital

Soluções de saúde mais flexíveis, pessoais e eficazes

A Espria é um dos maiores provedores de serviços de saúde na Holanda. Ela opera com sete marcas, cada uma oferecendo uma especialidade de saúde e compartilhando todos os serviços comerciais compartilhados da Espria, incluindo a TI.

Como as organizações de saúde em muitos países desenvolvidos, a Espria está passando por um período de grande transformação. Ela quer prestar
serviços de saúde mais perto de seus usuários, levando muitas interações não emergenciais de um ambiente de assistência à saúde para a comunidade.

Parte de sua missão é fortalecer a resiliência e a autossuficiência “para apoiar o desejo de uma pessoa de permanecer totalmente independente o
máximo de tempo possível”. Isso requer que o negócio seja mais flexível, ágil e pessoal. A transformação digital está no centro dessa mudança. A Espria quer que os dados dos pacientes sejam usados de forma mais eficaz e quer permitir que sua equipe seja móvel em sua maneira de trabalhar.

“A transformação digital é o nosso maior desafio”, afirma Jeroen Ensink, responsável pela arquitetura de TI, Espria. “Tradicionalmente, a TI da área da saúde tem uma mentalidade conservadora — temos muitas questões de segurança, regulatórias e jurídicas a serem consideradas. Porém, a Espria é uma organização exigente, tanto em termos de ambições quanto de eficiência operacional.”

Simplicidade e planejamento de longo prazo

Uma infraestrutura composable flexível e eficiente é essencial para apoiar essa transformação. Como uma organização sem fins lucrativos e com orçamento limitado, a estratégia de TI da Espria favorece a simplicidade, a eficiência de custos e o planejamento de longo prazo.

“Os custos são uma consideração essencial”, diz Ensink. “Você pode ter uma visão maravilhosa, mas sem o orçamento para financiá-la, a visão não é
nada.”

A organização enfrentou um problema com seu ambiente de blade. Usuária de longo prazo das soluções Hewlett Packard Enterprise, a Espria tinha um ambiente de data center tradicional e controlado por silo. A equipe de TI estava satisfeita com o desempenho do chassi HPE BladeSystem c7000, mas estava procurando uma infraestrutura pronta para o futuro com uma solução que pudesse acompanhar as demandas de negócios. A equipe estava preocupada com os recursos necessários para gerenciar o ambiente existente. Além disso, a Espria queria controlar os custos crescentes das
licenças.

“Temos uma equipe de 100 pessoas gerenciando a infraestrutura de TI para 17.000 funcionários”, explica Ensink. “Temos que maximizar sua eficácia.

Não tivemos problemas com o desempenho ou a utilização de recursos com o HPE c7000, mas o ambiente se tornou muito complexo para gerenciar e não estava ajudando nossos custos. Devido às políticas em mudança para VMware®, Microsoft® e Citrix®, e à escala em que operamos, estávamos
muito conscientes do número de núcleos e processadores que precisávamos para suportar essas licenças.”

Jornada para infraestrutura composable definida por software

Na área de saúde, diz Ensink, a estabilidade supera o risco. Isso significa que a Espria nem sempre está na vanguarda da tecnologia de TI; ela tende a favorecer a evolução sobre a revolução.

“Os c7000s eram muito mais que confiáveis. O que vimos com a HPE Synergy Composable Infrastructure foi uma evolução natural. Não houve
risco”, diz Ensink. “O caso de negócios da HPE Synergy era óbvio.”

Cada um dos dois data centers da Espria inclui o HPE Synergy, junto com o HPE OneView, para gerenciar todo o ambiente. O HPE Synergy fornece uma nuvem privada de infraestrutura composable que une aplicativos tradicionais e em nuvem na segurança de seu próprio data center. A poderosa solução definida por software permite que a Espria gerencie sua infraestrutura como código, implantando recursos de TI rapidamente e para qualquer carga de trabalho.

“Estamos fazendo a transição para uma infraestrutura definida por software”, diz Ensink, “e o HPE Composable Infrastructure, fornecido por meio do HPE Synergy, apresentou o melhor ajuste de todas as soluções disponíveis.”

Além disso, o HPE OneView oferece uma abordagem programática e definida por software para gerenciar a infraestrutura, com automação eficiente de fluxo de trabalho, um painel moderno e um amplo ecossistema de parceiros. Ele elimina processos manuais complexos, estimula a colaboração da TI e aumenta a velocidade e a flexibilidade do fornecimento de serviços de TI.

A solução entrou em vigor em dois dias, diz Ensink, com mais quatro horas necessárias para fazer a configuração: “Foi brincadeira de criança. Você cria o perfil, define as configurações e pronto. O HPE OneView gerencia tudo.”

Duplica o desempenho com metade do custo

O HPE Synergy entrega imediatamente os requisitos da solução, diz Ensink: Economizamos 50% em nossos custos de licenciamento. Precisamos de 50% menos processadores e estamos vendo o desempenho melhorar em 200%. Dobramos o desempenho pela metade do custo, basicamente.

“Com o HPE Synergy Composable Infrastructure, estamos confiantes de que temos a arquitetura para o futuro. Atualmente, o HPE Synergy atende somente à nossa infraestrutura VMware. A partir de 2019, transferiremos nosso ambiente Citrix do HPE c7000s para o HPE Synergy.”

Com menos tempo gasto no gerenciamento da infraestrutura, o foco da equipe de TI está nos serviços de valor agregado aos negócios, incluindo
as etapas de desenvolvimento e operações. A empresa agora está mais apta a apoiar a transformação digital de seus sete especialistas em saúde voltados para o paciente. A Espria provavelmente precisará responder a essas mudanças de maneira flexível e ágil.

“O objetivo é um ambiente completo definido por software e isso nos mantém ocupados”, conclui Ensink. “Qualquer eficiência obtida nas operações do dia a dia pode ser usada para suportar novos serviços.”

Como preparar sua empresa para Inteligência Artificial

Dominar os dados é um dos maiores desafios da humanidade e excedeu nossa capacidade de usar o raciocínio ou a intuição de forma eficiente para dar sentido aos padrões do big data.

“A inundação de dados está se tornando um problema universal”, disse o Dr. Eng Lim Goh, vice-presidente e diretor técnico de HPC e IA da Hewlett Packard Enterprise. “Mas com a inteligência artificial , uma suposição selvagem se torna uma suposição inteligente.”

Se você está considerando a IA para uma parte importante de sua infraestrutura de TI, faça uma pausa aqui. Alguns dos especialistas em IA da HPE compartilham suas idéias sobre o rumo que a IA está tomando, como ela pode transformar um negócio e as etapas para começar.

Crescimento de AI

A IA tem mostrado potencial há anos e as empresas perceberam. O IDC prevê que os gastos globais em soluções cognitivas e de IA aumentarão a uma taxa composta de crescimento anual de 54,4 por cento nos próximos anos, ultrapassando US $ 46 bilhões em 2020. Em 2024, diz a empresa de pesquisa, interfaces de usuário habilitadas para IA e automação de processos irão substituir um terço dos aplicativos baseados em tela de hoje.

Uma razão pela qual a IA atraiu esse nível de interesse corporativo é porque ela pode descobrir padrões em big data. O potencial da IA ​​para navegar por um cenário de vastas escolhas e consequências foi destacado pelas celebradas vitórias do Deep Blue da IBM sobre Garry Kasparov no xadrez em 1997 e AlphaGo da Alphabet sobre Lee Sedol em Go em 2016.

Em 2017, um novo tipo de IA surgiu. Um programa chamado Libratus – que roda em um supercomputador chamado Bridges, localizado no Pittsburgh Supercomputing Center – derrotou quatro jogadores profissionais de pôquer no jogo de no-limit Texas Hold ’em. Agora, em 2019, a tecnologia da Libratus está sendo adaptada para enfrentar um tipo diferente de oponente – a serviço das Forças Armadas dos EUA .

Chess and Go são jogos de informação completos em que cada jogador vê a posição completa do adversário no tabuleiro. Mas, com o pôquer, nenhum jogador possui todas as informações do jogo. (No Texas Hold’em sem limite, duas cartas na mão de cada jogador são conhecidas apenas pelo jogador em questão.) Como resultado, as abordagens que superaram Kasparov e Sedol não funcionariam contra os profissionais do pôquer.

O problema Go, por exemplo, dependia do aprendizado profundo , a aplicação de redes neurais artificiais profundas para tarefas de aprendizado. As redes neurais artificiais são modeladas no cérebro humano e consistem em camadas de computação: entrada, várias camadas de processamento e saída. O aprendizado profundo permite que um sistema descubra automaticamente a semântica oculta e as representações de dados necessárias para analisar dados brutos complexos que consistem em imagens, áudio e texto. Essas representações ajudam a distinguir o que você está procurando (“gato”) de todo o ruído de fundo (“não é gato”).

Libratus não faz isso. Em vez disso, ele aplica o raciocínio estratégico baseado no Equilíbrio de Nash, um cenário de teoria do jogo no qual nenhum jogador tem incentivo para se desviar de sua estratégia escolhida após considerar a escolha de um oponente. Essa abordagem não requer o treinamento da IA ​​alimentando-a com um grande conjunto de dados de, digamos, fotos marcadas como “gato” e ainda mais fotos marcadas “não é gato” Em vez disso, a IA aplica um conjunto de regras e uma estratégia elementar para selecionar o melhor movimento em cada ponto do jogo. (Quando você errar os algoritmos, poderá obter ” guacamole ” em vez de “gato”.)

Precisa de ajuda com sua estratégia de inteligência artificial? Temos um guia para manequins para isso.

O Libratus foi projetado para encontrar soluções a partir de dados incompletos. Ao contrário das tecnologias tradicionais de aprendizado de máquina que reconhecem padrões de dados, Libratus sugere a resposta adequada para cada situação discreta. A Libratus não fornece simplesmente aconselhamento ou análise preditiva, diz Daniel Wu, tecnólogo-chefe para sistemas de dados e ciência de dados da HPE. Em vez disso, adiciona um nível prescritivo ao processamento. Em outras palavras, o Libratus pode realizar uma ação com base na determinação de que determinada ação é a mais benéfica.

Esteja você falando sobre aprendizado profundo, pensamento estratégico ou outra espécie de IA, a base de seu uso está em situações que exigem respostas rápidas, mais rápidas do que os humanos são capazes de responder. Em aplicativos como direção autônoma e monitoramento de rede, onde o atraso pode resultar em danos físicos ou digitais, “você apenas precisa deixar a IA assumir o controle e removê-lo”, diz Wu.

A IA promete economizar tempo e dinheiro em aplicativos como atendimento ao cliente, em que um robô respondendo em um segundo é mais barato do que um humano em minutos. O problema é que “cada IA ​​é um aplicativo personalizado”, de acordo com Pankaj Goyal, vice-presidente do grupo de IA da HPE. Em outras palavras, leva tempo, dinheiro e habilidades para configurar uma nova IA de uma forma que faça sentido para os negócios da sua empresa.

Passo a passo

“Nenhuma empresa pode evitar a realidade da IA”, diz Wu. “Lembra-se daqueles obstinados que juraram que não iam usar a Internet? Agora estão exibindo anúncios no Google ou no Facebook. Para administrar uma empresa, você precisa de informações e percepções. A Internet fornece informações, mas não percepções. A IA oferece ambos.”

Mas a IA tem sido a “próxima grande coisa” caracterizada por exagero e medo. A ideia de que a IA resolverá todos os problemas é quase tão comum quanto a ideia de que estamos caminhando para um apocalipse robô. Como podemos manter nossas cabeças enquanto chegamos a um acordo com a realidade prática da IA?

“Como indivíduos, interagimos com a IA diariamente”, diz Goyal. “Pense em Alexa, por exemplo. Mas para clientes corporativos, isso não é real. Eles estão salivando com a ideia, mas não sabem como fazê-lo.”

Goyal incentiva qualquer pessoa interessada em aplicar IA em seus negócios a realizar estas três etapas em ordem:

  • Pergunte. Onde você pode aplicar técnicas de IA para obter melhorias reais? Entenda os casos de uso disponíveis para IA e observe os lugares onde você pode aplicar técnicas de IA para obter benefícios reais – por exemplo, economizando horas de funcionários, diminuindo os tempos de resposta e economizando despesas com reparo e substituição de materiais.
  • Experimentar. Você não pode aplicar IA em grande escala sem experimentar primeiro. O Google e a Amazon demoraram muito para colocar a IA em seu DNA, diz Goyal. Qual é a infraestrutura de dados certa? Que tipo de capital humano você precisa? Você tem os dados necessários – volume e qualidade? Você tem as pessoas certas? Você sabe como configurar a infraestrutura básica? Você sabe como ajustar seu modelo? Leva tempo para acertar a IA. Certifique-se de tê-lo.
  • Aumentar a escala. Em algum momento, você precisa integrar a IA em sua estratégia de negócios, pensamento de produto, suporte ao cliente, logística e marketing. Depois de obter o sucesso inicial usando-o, você precisa escalar em várias dimensões: infraestrutura, dados e processos de negócios. “No final das contas”, diz Goyal, “você gostaria de alcançar um estado de nirvana onde você pensa diariamente sobre como a IA pode ajudá-lo em cada elemento de sua organização.”

A inovação distingue um líder de um seguidor

A AMR busca acompanhar a transformação digital, capacitando-se para oferecer aos clientes soluções que permitam a implantação de novos modelos de negócio.

Ao longo dos últimos 25 anos, buscamos nos atualizar com diversos cursos e certificações, além de buscar as melhores parcerias do mercado para oferecer sempre soluções que tenham inovação no seu DNA e que possibilitem aos nossos clientes acelerar seus negócios e promover disruptura em suas áreas de atuação.

Conhecermos profundamente os sistemas e soluções que oferecemos fazendo com que sejamos capazes de prestar uma consultoria de alto nível, ouvir e entender as suas necessidades e apresentar as melhores soluções.

A Hewlett Packard Enterprise aprimora o Intelligent Data Platform para oferecer agilidade e continuidade de negócios incomparáveis

Nos mercados de ritmo acelerado de hoje, as equipes de TI e as empresas não podem perder tempo reagindo a simulações de incêndio e problemas no data center. HPE InfoSight , a IA para infraestrutura mais avançada do setor, ajuda as equipes de TI a se concentrarem nas prioridades de negócios, prevendo e evitando interrupções do armazenamento às máquinas virtuais (VM). A HPE está levando a inteligência para o próximo nível, agindo automaticamente com base na inteligência no HPE Primera para garantir que os aplicativos de missão crítica estejam sempre ativos e rápidos.

O HPE Primera é arquitetado com um mecanismo de IA integrado que processa modelos de aprendizado de máquina treinados globalmente para fornecer previsões em tempo real sobre o comportamento do aplicativo e padrões de desempenho. O HPE Primera age de acordo com as previsões para otimizar as operações do sistema em tempo real, otimizando de forma inteligente e dinâmica a utilização de recursos para garantir um desempenho rápido e previsível.

Além disso, a complexidade da infraestrutura virtualizada torna o desempenho dos aplicativos e o gerenciamento de recursos desafiadores e demorados para a TI. HPE InfoSight para HPE Nimble Storage simplifica radicalmente o gerenciamento de VM e habilita clientes com ambientes Hyper-V com análise cruzada que identifica problemas de desempenho entre armazenamento, VMs e recursos virtuais subutilizados.

Garantir a proteção dos aplicativos requer que os dados estejam localizados em vários locais, com opções flexíveis entre sites para atender a todos os acordos de nível de serviço. O HPE Primera elevou o padrão da indústria para armazenamento de missão crítica com 100% de disponibilidade de dados garantida, e agora inclui HPE Peer Persistence que oferece continuidade de negócios transparente junto com flexibilidade para replicar para um terceiro local para se recuperar de um desastre na área metropolitana, e replicação assíncrona quase instantânea em distâncias estendidas com um objetivo de ponto de recuperação de um minuto.

Com o HPE Nimble Storage, as empresas têm uma plataforma altamente disponível com seis noves de disponibilidade medida, HPE Peer Persistence com failover automático em 2 locais e replicação assíncrona local ou para a nuvem para distâncias estendidas. Além disso, também permite a replicação de três locais – incluindo para a nuvem – oferecendo proteção contra um desastre em toda a área metropolitana junto com a flexibilidade na nuvem para usar dados para teste / desenvolvimento e análises.

Tanto para o HPE Primera quanto para o HPE Nimble Storage, a replicação pode ser configurada em minutos, sem habilidades especializadas de armazenamento, sem taxas de software adicionais e sem serviços profissionais necessários.

Projetando o futuro: abordagem da HPE para a inovação

Nos últimos três anos, a HPE tem estado em uma jornada para se transformar rapidamente para melhor alinhar às novas tendências de tecnologia e às necessidades dos clientes. Um elemento crítico dessa transformação foi a reativação do motor de inovação.

Desde o lançamento da Hewlett Packard Enterprise, a empresa tem se concentrado em fortalecer em três áreas principais:

A inovação orgânica é fundamental para o nosso DNA

Construir produtos novos e inovadores é a força vital de uma empresa de tecnologia e é o núcleo do DNA da HPE. Sendo assim, os esforços de inovação orgânica são direcionados em três grandes categorias: Horizonte 1: produtos de curto prazo, Horizonte 2: oportunidades emergentes, e Horizonte 3: perspectivas de crescimento de longo prazo.

Parcerias e investimentos de risco oferecem inovação de ponta

No mercado de tecnologia em rápida mudança de hoje, a inovação orgânica não é suficiente, e a maioria das empresas simplesmente não consegue construir produtos com rapidez suficiente para acompanhar o ritmo de evolução das necessidades dos clientes. Para aproveitar o ecossistema de inovação mais amplo, a HPE projetou e lançou o Pathfinder, programa de investimento e parceria de risco. Por meio do Pathfinder, identificamos as melhores startups emergentes e, em seguida, selecionamos suas inovações dentro das nossas para fornecer soluções de ponta aos clientes com resultados que eles não encontram em nenhum outro lugar.

Aquisições reforçam o portfólio

As aquisições são o terceiro pilar da estratégia de inovação. Desde o lançamento da HPE, foram feitas uma série de aquisições que estão diretamente alinhadas com a estratégia e reforçam o portfólio.

Por exemplo, em Hybrid IT, a HPE adquiriu a SimpliVity, fornecedora líder de infraestrutura hiperconvergente definida por software. Com o SimpliVity, é possível oferecer uma única oferta hiperconvergente desenvolvida para empresas do setor. Para aprimorar nosso portfólio de armazenamento, foi adquirido o Nimble Storage, que expande as ofertas totalmente em flash.

HPC e IA com foco em exascale

O novo portfólio combinado é capaz de abranger uma arquitetura de supercomputação de ponta a ponta passando por computação, interconexão, software, armazenamento e serviços, sejam eles entregues on-premises, em sistema híbrido ou na nuvem – uma realidade cada vez mais presente nas operações de TI em tempos de transformação digital.

As ofertas atendem qualquer experiência e uma variedade de workloads em qualquer escala, desde sistemas pequenos e únicos até supercomputadores de classe exascale, incluindo soluções de modelagem e simulação para previsão do tempo e para os setores de manufatura e energia, e inteligência artificial e análise de big data para medicina de precisão, veículos autônomos, imagens geoespaciais e serviços financeiros. Começando em um único servidor e expandindo-se para os maiores supercomputadores, o portfólio combinado pode atender de maneira abrangente às necessidades de supercomputação de qualquer data center.

Atendendo ainda à principal estratégia de negócios da HPE para os próximos anos, a companhia informa que o novo portfólio também está disponível para aquisição como serviço, aliado à oferta HPE Greenlake.

A Hewlett Packard Enterprise, empresa global em tecnologia focada no desenvolvimento de soluções inteligentes que permitam às organizações coletar, analisar e tomar decisões continuamente em cima de dados alocados na nuvem.

 

Saiba mais sobre como as soluções de HPC podem ajudar você a acelerar resultados e melhorar precisão.

Como ter sucesso na transformação de negócios digitais

Já se sabe que a transformação digital pode transformar a maneira como as empresas operam. Mas o processo não é uma simples questão de reunir mais informações e usar o data warehouse familiar e a abordagem de análise do cliente que começa pela coleta de dados e cria percepções do passado. Em vez disso, tornar-se um negócio digital requer uma grande mudança no código cultural de uma empresa e o desenvolvimento de habilidades para encontrar novos tipos de valor nos dados. Aqui estão algumas maneiras de ajudar sua jornada para a transformação digital da maneira mais tranquila possível.

Seja claro sobre a escala e o impacto do seu projeto digital

Lembre-se de que a jornada não envolve apenas transformações de grandes empresas. A maioria das inovações digitais é menor e visa melhorar partes de um negócio ou processos de negócios individuais. Às vezes, essas pequenas transformações digitais são ignoradas porque não produzem manchetes de grandes negócios. No entanto, eles podem ter um valor enorme para partes do negócio. Por exemplo, encorajar “desenvolvedores cidadãos” – especialistas em linha de negócios que não são programadores profissionais, mas podem escrever aplicativos usando plataformas sem código / baixo código – pode trazer muitas pequenas melhorias por meio de sua capacidade de trabalhar com dados em seus atividades do dia-a-dia. Essas pequenas melhorias podem afetar o restante da organização e ter um grande impacto.

Portanto, primeiro, controle a escala de seu projeto e o impacto que você espera dele. Faça promessas do tamanho certo. A digitalização pode trazer benefícios pequenos, médios, grandes e gigantescos, portanto, você deve compreender a escala, o escopo e o impacto de qualquer proposta para garantir que projetos de nicho não sejam mal interpretados como grandes transformações.

Use novos tipos de dados – e pense como Einstein

As transformações industriais vêm acontecendo há centenas de anos, começando com a primeira Revolução Industrial e continuando até a quarta de hoje. As empresas que querem se transformar precisam se preparar para um mundo em que tudo é computado, onde a tecnologia está embutida em todos os lugares e onde tudo está conectado e tem a capacidade de ser compreendido. A chave para fazer uso de todos os aplicativos que trabalham com os dados. Esses aplicativos podem ser executados em qualquer lugar, inclusive no telefone e em equipamentos de data center. Eles podem ser novos aplicativos ou mesmo aplicativos legados, então as empresas precisam entender como os aplicativos novos e antigos funcionarão juntos, porque os aplicativos digerem os dados para produzir os insights que podem transformar as empresas.

“Não podemos resolver problemas usando o mesmo tipo de pensamento que usamos quando os criamos.” – Albert Einstein

Embora possamos identificar um problema usando nosso modo de pensar atual, a solução exigirá uma nova abordagem – um novo código cultural fazendo uso de novos dados, aplicativos novos e antigos e pensamento inovador. Requer novos comportamentos operacionais orientados por dados quase em tempo real – o tipo visto em inovações como Uber, Redes Sociais e transformações de negócios como varejo online.

Lembre-se de três fatores para transformações digitais de sucesso

O que tudo isso significa na prática? Como podemos ter certeza de que todos em todos os níveis dentro de uma empresa pensam com os dados e os usam para transformar suas empresas? Conheça três fatores altamente vinculados que são essenciais para o sucesso da transformação digital.

1. KPIs

Cada organização tem objetivos corporativos, intenções mensuráveis ​​que levam a uma variedade de iniciativas. As iniciativas devem ter seus próprios KPIs claramente definidos, porque sem eles um projeto não terá sucesso. Se você ouvir sobre uma iniciativa, como um programa de consolidação de dados, e ela não tiver KPIs mensuráveis ​​que mostrem um valor real que está sendo entregue à empresa, ela não será concluída com sucesso.

Não é suficiente que esses KPIs sejam compreendidos pelas pessoas envolvidas no projeto. Eles precisam estar na frente de todos na empresa. Por exemplo, nossos KPIs são reduzidos e mais específicos para que todos saibam em quais devem se concentrar. Se os KPIs  não se tornam parte do trabalho das pessoas e não estão vinculados a objetivos específicos, não se pode esperar que as pessoas os sigam sempre.

2. Agilidade

Para ter sucesso na transformação digital, lidar com KPIs corretamente não é suficiente. As empresas também devem ser ágeis e agir com rapidez. E um grande componente disso é direcionar os projetos do tamanho certo para sua transformação digital. Portanto, olhe para o primeiro passo para obter valor, o que chamamos de produto mínimo viável, e obter valor disso rapidamente. Dessa forma, você pode iniciar a transformação imediatamente.

3. TI Confiável

A etapa final na transformação digital é garantir que existam bases confiáveis ​​para seus projetos digitais. É aqui que você doma a complexidade de TI e garante que o máximo de energia esteja disponível para trabalhar em seus aplicativos de negócios e nos dados ao seu redor. Você quer liberar as pessoas inteligentes que trabalham em sua base de TI para que possam gastar seu tempo e criatividade em seus novos projetos digitais. E você também quer a base para executar adequadamente seus aplicativos e lidar com seus dados.

Isso significa escolher o parceiro certo com a experiência e a plataforma certas. Isso é o que fazemos na AMR e na Hewlett Packard Enterprise. Nosso objetivo é construir bases confiáveis ​​para empresas. E porque sabemos como ajudá-lo a projetar um produto mínimo viável, você não trabalhará com um sistema massivo e com excesso de engenharia que ficará por aí com apenas 20 por cento sendo usado nos primeiros anos. Ajudamos as empresas a atingir a escala certa no nível certo, sem perda de tempo, esforço ou dinheiro. Cuidamos da infraestrutura e da base de TI para que você possa colocar sua energia em seus aplicativos.

Como começar

A transformação digital é mais do que uma palavra da moda e, se você fizer isso da maneira certa, sua empresa poderá ver resultados consideráveis.

Entre em contato conosco e deixe nosso time de especialistas e parceiros ajudar você nessa jornada.

HPE ajuda clientes com transformação digital

A Hewlett Packard Enterprise anunciou avanços significativos na estratégia de plataforma como serviço (aaS) de ponta a nuvem da empresa, por meio de serviços em nuvem da próxima geração e uma experiência de entrega acelerada para o HPE GreenLake. Os novos serviços na nuvem do HPE GreenLake – que abrangem gerenciamento de contêiner, operações de aprendizado de máquina, VMs, armazenamento, computação, proteção de dados e rede – ajudam os clientes a transformarem e modernizarem seus aplicativos e dados – a maioria dos quais reside no local, em instalações de colocation, e cada vez mais na borda.

“Agora, mais do que nunca, dadas as condições atuais do mercado, as organizações têm uma necessidade urgente de conectar e potencializar todos os seus aplicativos e dados, a fim de transformarem seus negócios, apoiarem seus funcionários e atenderem seus clientes”, diz Antonio Neri, presidente e CEO da Hewlett Packard Enterprise. “À medida que entramos na próxima fase do mercado na nuvem, os clientes exigem uma abordagem que lhes permita inovar e modernizar todos os seus aplicativos e cargas de trabalho, incluindo os que estão na borda e no local. Ao oferecer uma experiência na nuvem, consistente em qualquer lugar, por meio dos serviços do HPE GreenLake e software projetado para acelerar a transformação, a HPE se posiciona de maneira exclusiva para ajudar os clientes a aproveitarem todo o poder de suas informações, onde quer que estejam.”

Hoje as companhias estão em uma encruzilhada em seus esforços de transformação digital. Segundo a IDC, apesar do crescimento e da adoção das nuvens públicas, 70% dos aplicativos permanecem fora delas. Devido a vários fatores, incluindo emaranhamento de aplicativos, prioridade alta ou baixa, sigilo dos dados, compliance de segurança e custos imprevisíveis, as empresas têm se esforçado para mover a maioria dos aplicativos que administram seus negócios para as nuvens públicas. Forçadas a manter dois modelos operacionais, elas enfrentam custos adicionais, complexidade e ineficiência, agilidade e inovação limitadas, além da incapacidade de capitalizar informações em qualquer lugar.

A HPE oferece uma abordagem única para resolver esse dilema, com os serviços na nuvem do HPE GreenLake para clientes no ambiente de sua escolha – da borda à nuvem – com um modelo operacional consistente e com visibilidade e governança em todos os aplicativos e dados corporativos.

Os serviços na nuvem HPE GreenLake também oferecem aos clientes um modelo econômico superior. Ao contrário dos fornecedores da nuvem pública, que cobram dos clientes a devolução dos dados no local, a HPE não cobra taxas de saída de dados. O modelo flexível como serviço do HPE GreenLake e as ferramentas robustas de análise de custos e conformidade permitem que os clientes preservem o fluxo de caixa, controlem os gastos e priorizem os investimentos alinhados às prioridades dos negócios.

 

Saiba como a AMR pode ajudar você nessa jornada!

 

Fonte: Decision Report